Resanha da História do Mato Grosso

·         O primeiro bandeirante que chegou a região de Cuiabá foi Antonio Pires de Campos, em 1718, que aprisionou índios e regressou para São Paulo.
·         Cuiabá (termo indígena “Ikuiapá”, que significa lugar da flecha). A razão da cidade ter tal nome é estar localizada justamente no local em que antigamente os índios bororos pescavam com flechas e arpões.
·         Foi o bandeirante Paschoal Moreira Cabral que encontrou ouro no valo do Coxipó e fundou um arraial às margens desse rio, com o nome de Arraial da Forquilha, sob a invocação de N.S. da Penha de França, em 08 de Abril de 1719.
·         A história de Mato Grosso começa assim, com a fundação de Cuiabá. A fama das riquezas descobertas ecoou em São Paulo e muitas expedições de lá partiram, rumo ao novo Eldorado.
·         Três anos depois, em 1722, o bandeirante Miguel Sutil descobriu ouro em quantidade até antão desconhecida, às margens do Ribeirão Prainha, próximo a atual Igreja de N.S. do Rosário em Cuiabá. Essas minas riquíssimas receberam o nome de Lavras do Sutil e sua fama abalou São Paulo.
·         De Cuiabá os bandeirantes se espalharam por outras regiões da Capitania, onde o ouro também aflorava, fundando povoações. O povoamento de Mato Grosso partiu, portanto de Cuiabá, que foi o seu número inicial.
·         Os paulistas tornaram-se os mais importantes bandeirantes, pela circunstância de que na região de São Paulo, os rios correm do litoral para o interior, como se fossem predestinados a conduzir os exploradores da terra. Por isso foram eles os descobridores de Mato Grosso e São Paulo, que sempre teve maiores ligações históricas e sociais com Mato Grosso.
·         Tamanha foi a importância atribuída ao ouro de Cuiabá e regiões circunvizinhas que o governo da metrópole portuguesa decidiu criar a Capitania de Mato Grosso, separando-se da de São Paulo em 1748.
·         O primeiro Capitão – General, Antonio Rolin de Moura Tavares, veio com instruções de colocar a sede de seu governo em ponto, de onde fundou Vila Bela da Santíssima Trindade em 19/03/1752, para ser a capital da nova capitania, as margens do Rio Guaporé.
·         Desde a criação da capitania, em 1748, desmembrada da de São Paulo, até a proclamação da independência do país, num período de 74 anos, foi Mato Grosso administrado por nove Capitães Generais.
·         O que caracterizou o Período Colonial foi a constante preocupação com a consolidação e defesa do imenso território que os bandeirantes haviam incorporado ao Brasil.
·         Com a outorga da Constituição do Império, de 25 de Março de 1854, as Capitanias passaram a denominar-se Províncias.
Governadores coloniais
A partir de 1748, Mato Grosso é desmembrado da capitania de São Paulo, criada então a capitania de Mato Grosso e os seguintes governantes:
·         Antônio Rolim de Moura de 1751 a 1765, fundou a primeira capital Vila Bela da Santíssima Trindade.
·         João Pedro Câmara de 1765 a 1769,
·         Luís Pinto de Sousa Coutinho de 1769 a 1772, expulsou os jesuítas e fundou vários fortes e povoados.
·         Luís de Albuquerque de Melo Pereira e Cáceres de 1772 a 1789.
·         João de Albuquerque de Melo Pereira e Cáceres de 1789 a 1796.
·         Caetano Pinto de Miranda Montenegro de 1796 a 1802.
·         Manuel Carlos de Abreu e Meneses de 1802 a 1807.
·         João Carlos Augusto d’Oeynhausen e Gravembourg (Marquês de Aracati) de 1807 a 1819, iniciou a transferência da capital de Vila Bela para Cuiabá.
·         Francisco de Paula Magessi de Carvalho (Barão de Vila Bela) de 1819 e 1821.
1º Reinado e Regências
·         Foram nomeados para Mato grosso 5 presidentes.
·         Os fatos mais importantes ocorridos neste período foram: a “Rusga”, a oficialização de Cuiabá como capital da província e o aparecimento da primeira tipografia em Mato Grosso.
·         A “Rusga”foi um movimento nativista que explodiu em Cuiabá, com ramificações em outros pontos do estado. Na noite de 30 para 31 de maio de 1834, centenas de populares agindo sob inspiração de Antonio Patrício da Silva Manso, exterminaram dezenas de portugueses, saqueando-lhes as casas.
2º Reinado
·         Começa com a declaração da maioridade de D. Pedro II, a 23 de Julho de 1840 e vai até a Proclamação da República em 15 de Novembro de 1889.
·         Durante esses 49 anos, Mato Grosso foi governado por 28 presidentes nomeados pelo imperador.
·         De todos eles, os que mais se destacaram pela sua ação administrativa foram Augusto João Laverger, o futuro Barão de Melgaço, que exerceu a presidência por 3 vezes e o Dr. José Vieira Couto de Magalhães.
·         Fato curioso durante esse período foi a chegada a Cuiabá, em 1844, do médico Dr. Sabino da Rocha Vieira, que chefiou a revolução baiana de 1837, conhecida como “Sabinada”, e que, condenado a degredo no sertão, ia a caminho da Forte do Príncipe da Beira, quando foi acolhido pelo Dr. João Carlos Pereira leite, na sua fazenda Jacobina, situada na estrada de Cuiabá a Cáceres e ali permaneceu até sua morte, ocorrida em 25 de Dezembro de 1846.
·         Outro fato curioso foi a estada em Cuiabá do Capitão Manoel Deodoro da Fonseca, futuro marechal, proclamador da república e primeiro presidente, que veio como ajudante de ordens do Presidente Antonio Pedro de Alencastro. Deodoro casou-se em Cuiabá. Retornou a Mato Grosso, já no posto de marechal, em janeiro de 1889, permanecendo apenas 6 meses e regressando ao Rio 3nmeses antes da proclamação da república.
·         Outro futuro presidente da república, Floriano Peixoto, veio em Mato Grosso, como comandante das Armas, tendo exercido, por um ano, a presidência da província. Ocupou também esse posto, por 3 anos (1875 a 1878), o General Ernesto da Fonseca, pai do Marechal Hermes Rodrigues da Fonseca, que foi o sétimo presidente da república, no quadriênio 1810 a 1914.
Fato mais importante – Guerra do Paraguai
·         A propaganda dos ideais republicanos que empolgava todo o país, também encontrou eco em Mato Grosso. Dois jornais circularam em Cuiabá fazendo propaganda republicana: A República (1882, de Francisco Agostinho Ribeiro) e A Gazeta ( 1888, de Vital de Araújo).
·         A 27 de Junho de 1888, foi lançado um manifesto pela fundação do Partido republicano em Mato Grosso, o que se efetivou a 12 de Agosto.
·         A notícia da proclamação da república só chegou a Cuiabá na madrugada do dia 09 de dezembro de 1889, trazida pelo comandante do navio Coxipó. Conhecido o fato, um movimento popular dirigido por aqueles líderes aclamou o Marechal Antonio Maria Coelho, herói da retomada de Corumbá, como governador do estado, sendo ele empossado pela assembléia legislativa e depois confirmado pelo presidente provisório da república, Marechal Deodoro da Fonseca.
·         Com a primeira constituição da república (24 de agosto de 1892), as antigas províncias passaram a denominar-se estados.
·         Cumprindo dispositivo dessa constituição, em maio de 1892, foram eleitos os deputados que comporiam a assembléia estadual constituinte.
·         A 15 de agosto de 1891, era promulgada a primeira constituição estadual e eleito o primeiro presidente, Manoel José Murtinho.
Movimentos Sociais
·         Rusga (1843), Rebelião ocorrida em Cuiabá, durante a Regência, objetivando a retirada do poder público das mãos dos conservadores para cedê-los aos liberais (Regências).
·         Massacre da Baía do Garcez (1901) Movimento ocorrido durante a política dos governadores (governo de Antonio Alves de Barros), quando foi realizado um cerco a Usina de Conceição, com prisões e execuções bárbaras.
·         Caetanada (1916), Movimento ocorrido pela posse da terra: de um lado a Companhia Mate Laranjeira e de outro, os interesses dos trabalhadores (gaúchos).
·         Norbech e Carvalhinho (1920 em diante), Luta travada entre 2 chefes locais das zonas de garimpo,  no leste mato-grossense.
·         Tanque Novo (1933), Movimento armado ocorrido em 1933, no município de Poconé, que resultou em perseguições por questões políticas e no julgamento de Doninha (1º República).
Os quilombos
Existiam em Mato Grosso, durante os séculos XVIII e XIX, 11 quilombos, sendo mais conhecidos os do Vale do Guaporé:
1.   Piolho,
2.   Quariterê
3.   Joaquim Felix,
Os de Chapada dos Guimarães:
1.   Mutuca,
2.   Pindaituba
3.   Rio  Manso (formados por escravos fugitivos dos engenhos de açúcar) e o da região de Cáceres.
Primeira República
·         Vai até a Revolução de 1930 e durante esse período de 40 anos, teve Mato Grosso 22 governantes. As agitações que caracterizam esse período da consolidação da república em Mato Grosso, começa com a Revolução de 1892, que depõe o Presidente Murtinho.Em seguida, ocorre a frustrada tentativa da implantação da “República Transatlântica de Mato Grosso”, independente do Brasil.
·         Em maio de 1892 uma contra revolução, chefiada por Generosa Ponce, devolve o governo a Murtinho. Chamou-se a isso a reposição da legalidade.
·         Substituto de Murtinho, foi o Dr. Antonio Correa da Costa, que renunciou em virtude do “caso do bonde”, ocorrido com o Senador Generoso Ponce.
·         Nas eleições seguintes, de 1899, foi eleito presidente o Comandante Antonio Pedro Alves de Barros, que realizou um governo marcado pela violência, culminado com a tragédia da Baia do Garcez, na qual foram trucidados 17 mato-grossenses.
·         Para sucessor do Comandante Alves de Barros, foi eleito presidente o Coronel Antonio Paes de Barros (Totó Paes), proprietário da Usina Itaicy.
·         Continuando o clima de insegurança e violência no estado, o Coronel Generoso Ponche e Dr. Antonio Correa da Costa, chefe oposicionista, exilaram-se em Assunção, no Paraguai, onde passaram a editar o jornal “A Reação”, que entrava clandestinamente em Mato Grosso.
·         m 1906 retorna ao Estado. Encontra-se em Corumbá com Manoel Murtinho, seu adversário político, mas que se encontrava em desentendimento com Totó Paes. Acertaram a formação da “Coligação Mato-Grossense”. Reúnem forças poderosas no sul e norte do estado, estas chefiadas por Pedro Celestino Correa da Costa e cercam a Capital (junho de 1906). Era a “Revolução de 1906”. Totó Paes, intimado a render-se, conseguiu fugir da cidade sitiada e foi alcançado e morto no Coxipó do Ouro.
Termina assim, o movimento armado que encerra o agitado período da consolidação da república em Mato Grosso. Com a vitória da Revolução de 1906, inicia-se um período de paz e tranqüilidade na política de MT. Nessa fase, preocupam-se os governantes, com os problemas de colonização, construção de estradas, navegação fluvial, saúde pública e ensino.
·         Nos anos de 1920,1911 e 1912, respectivamente, são fundadas a escola de Aprendizes Artífices (hoje Escola Técnica Federal), a Escola Normal Pedro Celestino e a Biblioteca Pública Estadual.
·         No governo Dom Aquino, são resolvidas as questões de limites com Goiás e circulam os primeiros automóveis em Cuiabá.
·         O presidente Mario Correa remodela Cuiabá, iluminando-a com energia hidroelétrica da Usina do Rio da casca, a pioneira no gênero em Mato Grosso e promove a vinda a Capital do primeiro avião,  que rasga as rotas aéreas do oeste brasileiro.
·         Durante os anos de 1908 a 1915, Mato Grosso é percorrido pela “Comissão Rondon”, construindo linhas telegráficas, pacificando índios, realizando estudos científicos e plantando povoações e cidades. Perturbações havidas nos anos finais da primeira república, foram a passagem pelo estado,  dos fugitivos da “Coluna Prestes”e as lutas fratricidas na região garimpeira do leste, entre os seguidores do Dr. Norbech e seu es-subordinado Carvalhinho.
·         Grandes vultos da política e da cultura mato-grossense nesse período foram Generoso Ponce, Marechal Rondon, Dom Aquino Correa que foi eleito para a Academia Brasileira de Letras e Antonio Azeredo, por muitos anos, vice e presidente do Senado federal.
·         A chamada “Primeira República”, terminou em outubro de 1930, com a vitória da revolução liberal, que depôs o Presidente Washington Luis.
   
Economia entre os  séculos XVIII, XIX e  meados do séculos XX
·         Cana de açúcar, erva mate (arrendamento Cia Matte Laranjeira – renda 6 vezes maior que a do estado MT) POAIA (exportação rica em ementina – medicinal – Bacia do Rio Paraguai a do Guaporé – (Cáceres/Barra do Bugres/ Vila Bela e Cuiabá)
·         Borracha: Mangabeiras (rios Paraguai e Amazonas).
·         Pecuária: XVIII – Como atividade subsidiária (Cuiabana e Guapareana) – desenvolvimento da indústria do charque (Cáceres).
·         Hidrovia – PR/Paraguai – 1858-1870 – Ativada em 1880 – Cáceres ao Uruguai.
·         Aproximadamente 1.750.000 Km 2 – População 17 milhões de habitantes (Argentina/Bolívia/Brasil/Paraguai) ZPE – Zona de Processamento de Exportação Cáceres – parque Industrial – exportar produtos via Mercosul.
       Estrada de Ferro Madeira Mamoré
·         Idealizador: George Eral Church – Amazônia/Bolívia – Eng. Brasileiro Martins da Silva Coutinho.
·         1867 – Tratado da Amizade, Limites, Navegação, Comércio e Extradição.
·         1871 – Madeira Mamoré Railaway CO Ltda Construtoras: Public Works Construtions CO p&T Collins (Filadélfia) Faliu em 1881.
·         1903 – Renasce com truste americano – Facqhuar – Tratado de Petrópolis.
·         1912 – Concluída – Não havia mais borracha. Inviabilidade – fretes caros. Em 1929 faliu.
·         1972 – reativação – Apenas para turismo Porto Velho a Santo Antônio
·         Fase final – Haviam 21.817 trabalhadores. Morreram 6.000. Trabalho em forma assalariado e servidão.
·         Saúde: Hospital da Candelária – Dr. Belt – Porto Velho (região mais doentia do mundo – sarampo, tuberculose, febre amarela, malária e outras). Conseqüência: nascimento cidade de Porto velho _ RO
·         Estrada de ferro – Noroeste do Brasil: SP 575.611 Km –(25) – MT 964.006 KM (9). Ligaria Bauru(SP) a Cuiabá(MT). Chegou até Campo Grande (Porto Esperança e Ponta Porã). Desagradou aos comerciantes de Corumbá que deixou de ser agente catalizador. Decadência 1920.
  República  Ou República Nova e com ela um governo provisórios, chefiado pelo Dr. Getulio Vargas.
·         Os estados passaram q ser administrados por interventores nomeados pelo governo central. Para Mato Grosso vieram os interventores Antonio Mena Gonçalves, Artur Antunes Maciel, Leônidas Antero de Matos, César de Mesquita Serva, Fenelon Muller e Newton Cavalcanti, que administraram Mato grosso desde outubro de 1930 a 07 de Setembro de 1935.
·         Em 1932 ocorreu a chamada Revolução Constitucionalista, em que forças de Mato Grosso e São Paulo se levantaram contra os governo federal, exigindo a reconstitucionalização do país.Derrotado o movimento revolucionário, o ideal de legalidade tornou-se, entretanto, vitorioso, pois em 1933, o governo federal convoca eleições gerais e em 1934 o país tinha uma nova constituição estadual e eleito governador o Dr. Mario Correa da Costa.
·         Em março de 1937 o governo da união decretava nova intervenção em Mato Grosso,  em virtude do “impeachment” movido pela assembléia contra o governador e distúrbios dele decorrentes.
·         A 10 de novembro de 1937, em golpe de estado, implantava no país, o “Novo Estado”, um regime ditatorial, apoiado numa constituição outorgada.
·         Durante todo o período do Estado Novo, que perdurou até 29 de outubro de 1945, o governo de Mato Grosso foi exercido pelo Bacharel Julio S. Muller. Realizou ele, sem dúvida, uma das mais brilhantes administrações que o estado tinha até então, notabilizado sobretudo, pelas obras oficiais, que construiu em Cuiabá. Durante seu governo, Mato Grosso recebeu a visita do Presidente Getulio Vargas, o primeiro presidente a visitar o estado.
Por exigências da guerra, incentivou-se novamente nesse período a indústria extrativa da borracha, que passou a ser material estratégico. Ainda nessa época, o presidente Getulio Vargas, lançou sua “Marcha para Oeste”, com a criação da Fundação Brasil Central. Foi brilhante a participação de Mato Grosso na II Guerra Mundial. Muitos oficiais e praças oriundos deste estado lutaram na FEB e os 2 maiores heróis da campanha da Itália foram mato-grossenses: o capitão João Tarcisio Bueno (Monte Castelo) e o 2º tenente Iporam Nunes de Oliveira (Montesi). O Estado Novo caiu em virtude do movimento revolucionário de 29 de outubro de 1945. Com a deposição de Getulio Vargas e dos interventores, foram empossados na Presidência da república, o presidente do supremo tribunal federal, ministro José Linhares e nos governos estaduais os presidentes dos tribunais de justiça dos estados.
·         A 2 de outubro de 1945, foi eleito presidente da república, o mato-grossense General Eurico Gaspar Dutra.
3º República: Vai da queda de Getulio Vargas em outubro de 1945 a revolução de 1964, período em que estava na presidência da república, o mato-grossense Eurico Gaspar Dutra.  Exerceram a governança do estado, eleitos pelo voto direto, os seguintes governadores:
·         Arnaldo Estevão de Figueiredo
·         Fernando Correa da Costa
·         João Ponce de Arruda
·         Fernando Correa da Costa
Infra-estrutura:
·         Nesse período inicia-se no estado com escassos recursos, a implantação das rodovias previstas no plano rodoviário nacional.
·         No setor de energia elétrica, registra-se a construção da Usina nº 2 do Rio da Casca (Cuiabá) e a elaboração do projeto da Usina do Mimoso (Campo grande). Organização e promoção da reunião de governadores dos estados da bacia dos rios Paraná e Uruguai que resultou na construção das Usinas de Urubupungá e lha Solteira.
·         Ocorreu a reforma na educação: secretaria de educação e saúde do Mato Grosso.
Implantação do plano rodoviário estadual.
·         O governo Fernando Correa provoca a realização de uma reunião entre os governos de Mato Grosso, São Paulo, Minas, Goiás e Paraná, da qual resultou a criação da comissão interestadual da bacia Paraná-Uruguai e a construção das hidrelétricas que hoje aproveitam o potencial do Rio Paraná.
·         Nesse período da Terceira República, foram instalados o banco do estado de Mato Grosso, a Acarmat, a Casemat e a Usina Açucareira de Jaciara.
·         João Ponce de Arruda assinou o decreto nº 120, de 05/09/1956, determinado a reabertura do curso de Direito e pelo decreto nº 40.387, de 20/11/1956, obteve do Presidente J.K. autorização para o funcionamento da Faculdade de Direito de Mato Grosso.
Antes da eleição de Arnaldo de Figueiredo, Mato Grosso teve 2 interventores:
·         Desembargador Olegário Moreira de Barros
·         Dr. José Marcelo Moreira.
4º República
·         Vai da Revolução de 1964,  ao término do governo João Figueiredo, em 15 de março de 1985.
Pedro Pedrossian
·         De 1966 a 1971 –– Este governo marca o início de uma nova  mentalidade político administrativa no estado.
·         Criação do Instituto de Ciências e Letras de Cuiabá e o Instituto de Ciências Biológicas de Campo Grande.
·         Em 10/12/1970 – Médice sanciona a Lei 5647, criando a Universidade Federal de Mato Grosso.
José Fontanilha Fragelli – 1971 1 1975.
·         1973 – Medice implantou PIN – Plano de integração Nacional – BR 158 – B. Garças a S. Felix do Araguaia
·         Expulsão de posseiros e índios (Parque Nacional do Xingu)
·         Normalização financeira do BEMAT
·         Criação de rodovias vicinais
·         Construção de linha de transmissão da Cachoeira Dourada a Cuiabá.
·         Utilização de linha de transmissão para 8 municípios de Mato grosso.
·         Início da construção do CPA – Centro Político Administrativo e do Estádio Verdão
·        
José Garcia Neto
·         1976 a 1979 – José Garcia Neto – Mato grosso – Estado Solução
·         Criou a Fundação Cultural do MT
·         Divisão do estado pela Lei Complementar nº 31 de 11/10/1977 – Início com Barros Cassal e João Caetano Muzzi em fins do século XIX. Mesmo tendo sido divididos territorialmente, Mato Grosso e Mato grosso do Sul, não podem ser divididos culturalmente, pois a história de ambos foi única de 1719 a 1977.
Frederico Carlos Soares de Campos
·         1979 a 1983 – Frederico Carlos Soares de Campos – Fé, coragem e perseverança. Criação de vários municípios.
Julio José de Campos
·         1983 a 1987 – Julio José de Campos – Progresso para todos.
·         Até a década de 80, 25 colonizadoras (SUDAM/BASA/SUDECO) – Ministério da Reforma Agrária.
Governo do Estado de Mato grosso – Governador Blairo Borges Maggi
·         Vice Governadora: Iraci Araújo Moreira. A vice-governadora entrou para a história de MT, como sendo a primeira mulher a assumir o governo do estado, durante o período em que o governador efetivou várias viagens para o exterior.
Os 3 símbolos oficiais
       O estado de Mato grosso possui 3 símbolos oficiais. Por ordem cronológica, considerando a legislação específica de cada um deles. São:
·         O mais antigo dos símbolos oficiais do MT é a sua bandeira. Ela foi criada pelo Decreto nº 2, de 31 de janeiro de 1890, pelo primeiro governador republicano, o general Antonio Maria Coelho.
·         O Brasão de Armas do Estado de MT, nos termos do artigo 19 da constituição Estadual, é o instituído pela Resolução nº 799, de 14 de Agosto de 1918, da presidência de MT.
·         Hino Oficial de MT – O Decreto nº 208/1.983 oficializa a letra e melodia do poema de D. Francisco de Aquino Correa, musicado por Emilio Heine, como o hino do estado de MT.